Lei do Alimento Mais Seguro é tema de campanha informativa da Aprosoja

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso lançou a campanha “Lei do Alimento Mais Seguro: uma visão científica”. O objetivo da entidade é compartilhar, até o fim deste ano, vídeos com especialistas, pesquisadores e doutores de diversas áreas da Agronomia, Biologia e Medicina sobre a verdade por trás do Projeto de Lei (PL) 3200/2015, que tem como objetivo principal atualizar a legislação brasileira quando o tema é defensivo agrícola, já que a lei em vigor é de 1989.

O projeto de lei, também é chamado por grupos contrários à mudança, de “PL do Veneno”. “Chamado erroneamente, não só rebatemos o termo como explicamos, com base científica, com estudos e pesquisas, o motivo de não chamar o PL desta forma. Muitas vezes, as coisas que são ditas sobre o tema são ditas de forma equivocada, ideológica, por pessoas que são contra o setor”, explica o coordenador da comissão de defesa agrícola da Aprosoja, Jorge Giacomelli.

A data de lançamento da campanha da Aprosoja não é por acaso. Nesta segunda-feira também é Dia Internacional da Luta contra Agrotóxicos. “Muito fala-se que o Brasil seria o líder mundial no consumo dos defensivos agrícolas, com cada brasileiro ingerindo cinco litros por ano. O número não é verdadeiro. Falar em cinco litros por habitante por ano é errado. O que a gente usa é muito menos e, se a gente for falar só em termos de ingrediente ativo, que é a molécula biologicamente ativa que pode causar algum efeito, esse número está em torno de dois litros por habitante. Só que essa maneira de indicar não tem significado nenhum, porque ninguém aplica pesticida ou produto fitossanitário nas pessoas. Isso é aplicado nas plantações”, diz José Otávio Menten, engenheiro agrônomo pela Usp/Esalq e um dos especialistas que falará na campanha.

Mentem também afirma que a matemática utilizada por quem propaga as informações falsas está errada. “É preciso exprimir essa utilização em termos da quantidade de produto por área cultivada ou pela produção de alimentos que saem dessas áreas. Essas são as maneiras técnicas e adequadas de nós expressarmos o que é consumo. Fazendo cálculos corretos, nós vamos ver que o Brasil cai pra sétimo, para 13º ou pra 51º lugares, dependendo da técnica que está sendo utilizada, e é isso que a gente tem que levar de informação. O que é inaceitável é que pessoas que não são do ramo se colocam comunicando coisas que não são verdadeiras. Eu acredito que é o nosso setor do agro que tem que ser a referência. Somos nós que trabalhamos, que geramos dados confiáveis e somos nós que temos que falar para a sociedade o que é verdade e demonstrar que estamos sempre em busca de aprimoramento”, finaliza.

Veja o primeiro vídeo aqui . 

A campanha contará com a colaboração de:

  • Angelo Zanaga Trapé – Graduado em Medicina, pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Atualmente é professor doutor da Unicamp. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia.
  • José Otávio Menten – Graduado em Engenharia Agronômica pela Universidade de São Paulo (Usp/Esalq). Doutorado em Agronomia, área de Fitossanidades. Pós-doutorados na Holanda, Dinamarca e Inglaterra. Professor sênior da Usp/Esalq e presidente do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS).
  • Pedro Christoffoleti – Graduado em Engenharia Agronômica pela Universidade de São Paulo (Usp/Esalq). Mestrado em Agronomia, área de concentração em Fitotecnia pela Usp e doutorado em Weed Science – Colorado State Universty – CSU (1992). Atualmente é professor associado – livre docente Esalq, no Departamento de Produção Vegetal.
  • Sérgio Abud – Graduado em Biologia pela Universidade de Brasília (Unb), especializou-se em Genética e Biologia Molecular, na área de transformação de planta e expressão de proteínas heterólogas em soja. Participa da equipe de genética e melhoramento de soja na Embrapa Cerrados, desde 1982, onde desenvolveu trabalhos na área de melhoramento genético, participando da criação das cultivares de soja convencionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here