Seguro rural e crédito rural cresceram em 2019, informa Mapa

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento divulgou nos dias 9 e 11 de dezembro, os dados consolidados da contratação do crédito rural da Safra 2019/2020 e do seguro rural, respectivamente. Os números apresentados mostram evolução em relação às séries históricas.

O seguro rural, por exemplo, no ano de 2019, atingiu a marca de R$ 20 bilhões em valor segurado, com a contratação de 95 mil apólices com apoio do governo federal – que aplicou neste ano R$ 440 milhões em subvenção ao prêmio do seguro, 18% a mais do que o valor executado em 2018 – proporcionando cobertura securitária para cerca de 6,9 milhões de hectares.

Já as contratações de crédito rural da Safra 2019/2020 somam R$ 93,5 bilhões, representando alta de 6% na comparação com a safra passada (2018/2019)

Seguro rural – Os números do Mapa mostram que programa beneficiou em 2019 aproximadamente 58 mil produtores rurais, proporcionando cobertura securitária para 6,9 milhões de hectares em todo o país, um aumento de aproximadamente 50% em relação ao ano anterior. A importância segurada total foi de R$ 20 bilhões, o maior valor nominal desde o início do Programa em 2005. As culturas que tiveram maior demanda foram as de soja, milho (2ª safra), trigo, maçã e uva.

O diretor do Departamento de Gestão de Riscos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Pedro Loyola, ressaltou que 100% do orçamento previsto para o programa foi executado este ano, o que não ocorrida desde 2013: “Observamos a expansão na contratação do seguro para culturas como a cana-de-açúcar e o café, por exemplo, e para regiões como o Norte e Nordeste, que possuem baixa difusão historicamente. Além disso, verificamos que as taxas de prêmio permaneceram estáveis para a maioria das apólices em diversas regiões, em alguns casos até reduziram, mesmo com a sinistralidade maior”, disse. 

Para o próximo ano, está previsto o recurso de R$ 1 bilhão para o Programa, que depende ainda de aprovação do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2020, em tramitação no Congresso Nacional. O valor previsto para 2020 será o maior para subvenção desde a criação do programa.

Plano Safra – O Balanço de Financiamento Agropecuário da Safra 2019/2020 – divulgado pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com base nos dados do Sistema de Operações do Crédito Rural e do Proagro (Sicor), do Banco Central – mostra que o valor das contratações das operações de crédito rural nos cinco primeiros meses da safra 2019/2020 (julho a novembro) foi de R$ 93,5 bilhões, representando alta de 6% na comparação com a safra passada (2018/2019). As operações de custeio somaram R$ 54,1 bilhões (+ 5%), investimento, R$ 23,2 bilhões (+16%), comercialização, R$ 9,9 bilhões (-22%) e as de industrialização, R$ 6,1 bilhões (+61%).

As contratações de crédito rural pelos médios produtores, no âmbito do Pronamp (Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural), tiveram acentuado aumento na atual safra em relação à anterior, atingindo R$ 12,58 bilhões no custeio (+33%) e R$ 1,27 bilhão no investimento (+41%). Na agricultura familiar, esses financiamentos se situaram em R$ 7,97 bilhões no custeio (+12%) e R$ 6,69 bilhões (+25%) no investimento.

As operações de financiamento agropecuário com recursos livres, não controlados, tiveram acentuada expansão, passando de R$ 18 bilhões na safra passada, para R$ 21,24 bilhões na safra atual. Esse aumento é explicado pela contribuição dos recursos da poupança rural e da LCA (Letra de Crédito do Agronegócio), cujo direcionamento obrigatório para o crédito faz parte do esforço de diversificação das fontes de financiamento agropecuário. A utilização de recursos da fonte LCA na atual safra atingiu R$ 12,24 bilhões, uma alta de 12%, sendo que nas contrações para custeio esse aumento foi de 28%, se situando em R$ 6,8 bilhões.

De acordo com a SPA/Mapa, o aumento na demanda de recursos na atual safra, especialmente para investimentos, no âmbito dos programas do BNDES, administrados pelo Mapa, decorrem do nível de confiança do produtor rural e das perspectivas de mercado para a atual safra.

Os programas de investimento, cujas contratações tiveram maior aumento foram o Inovagro – Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (+85%), o Programa ABC – Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (+60%) e o Moderagro – Programa de Modernização da Agricultura e Conservação de Recursos Naturais (+53%), além do PCA – Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (+51%). No agregado, os financiamentos de investimento aumentaram 16%, se situando em R$ 23,22 bilhões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here