Atualização de sistemas de qualidade e biossegurança promove investimentos de U$ 10 milhões de dólares em planta de vacina contra aftosa

A Biogénesis Bagó anunciou investimentos da ordem de US$ 10 milhões em sua planta argentina de produção de vacinas contra a Febre Aftosa, com o objetivo atualizar o sistema de qualidade e adequar os níveis de biossegurança aos novos regulamentos estabelecidos pelo SENASA (Servicio Nacional de Sanidad y Calidad Agroalimentaria) da Argentina e às exigências dos países nos quais a empresa projeta seu maior crescimento. Em resposta ao investimento, que prevê o desenvolvimento de um plano de engenharia e obras de infraestrutura nos próximos dois anos, a planta se situará no mais alto nível de tecnologia e biossegurança para a elaboração de vacinas anti aftosas com o manejo de diferentes cepas do vírus, que garantem a resposta imune dos rebanhos em cada região produtiva. Também permitirá que a empresa, liderada por Esteban Turic desde janeiro deste ano, cumpra as novas exigências do banco de antígenos norte-americano, para o qual fornece desde 2006. 

“Para intensificar a estratégia preventiva contra um possível surto de febre aftosa que afete essa região, nos foi pedido para expandir a capacidade do banco. Por isso precisamos acelerar nossa capacidade de resposta, além de atualizar os sistemas de biossegurança, levando em conta as novas demandas em nível local”, explica Rodolfo Bellinzoni, diretor de Operações Industriais e Inovação da Biogénesis Bagó, informando que a planta de Garin tem  capacidade produtiva de 300 milhões de doses de vacinas anti aftosa por ano e é responsável pelo abastecimento dos mercados da América Latina

Esse posicionamento estratégico é apoiado por programas de expansão territorial para licenças e pesquisa e desenvolvimento, nesta fase concentrada principalmente no Sudeste Asiático, para onde a empresa já exporta a três destinos. A meta é atingir países como Mongólia, Camboja, Laos e Tailândia, onde negociações já estão avançados. Nas projeções para os próximos cinco anos, a empresa espera realizar operações da ordem de 100 milhões de dólares nesta região, além da pretensão de abrir mercados na África e no Oriente Médio. 

“Decidimos investir na Argentina para gerar mais conhecimento e produzir aqui uma vacina de alta qualidade em nível global, atendendo às demandas específicas de cada mercado que vamos incorporar. Todo esse processo de atualização da planta permitirá consolidar a capacidade, a segurança e a qualidade da resposta em nível local e será a base do crescimento da empresa em sua estratégia de expansão global”, afirma o diretor de Operações Industriais e Inovação. “Queremos oferecer produtos e serviços de alta qualidade, diferenciados em capacidade de resposta, qualidade e biossegurança. A Argentina já é um centro de referência mundial por sua capacidade de responder a emergências de saúde com produtos seguros e eficiente”, reforça Bellinzoni.

Crédito da foto de capa: Beefpoint

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here