Modelos de restauração florestal no Vale do Paraíba apresentam resultados positivos

Em 17 de maio, pouco mais de 50 pessoas, entre produtores rurais, membros da Secretaria Estadual da Infraestrutura e Meio Ambiente e membros de associações ambientais, reuniram-se no Sítio dos Ipês, em Cachoeira Paulista (SP), em evento promovido pelo Corredor Ecológico Vale do Paraíba, em parceria com as entidades Instituto Coruputuba, The Nature Conservancy e Instituto Socioambiental. O objetivo foi avaliar estudos econômicos e ambientais de restauração florestal – para ver benefícios e formas de adequá-los a propriedades agrícolas  – de quatro estilos diferentes de plantio a partir das sementes, e não de mudas, como é convencional, resultantes de plantio realizado em 2018. Os quatro grupos sucediam-se entre estas estações para poder comparar os diferentes resultados obtidos. 

Patrick Assumpção, da Fazenda Coruputuba, explica que, “no caso, foram mais de 110 espécies entre arbóreas, sementes, adubadeiras e outras plantas arbustivas. É uma variedade que, mais para frente, será traduzida em ganhos comerciais para o produtor rural”.

O projeto realizado no Sítio dos Ipês – que conta com consultoria do Corredor Ecológico, é um exemplo de implantação de agrofloresta e já colhe frutos de uma alternativa sustentável para geração de renda no campo – foi comemorado por participantes como  Marina Campos, da  The Natural Conservancy, para quem “o que se vê aqui é que podemos restaurar florestas, buscando trazer os serviços ambientais de volta (água, clima, polinização) com o custo mais baixo”. Concordando com ela, Carolina Ferreira, do Corredor Ecológico definiu os resultados obtidos como “empolgantes” e afirmou: “Isso decorre da condução que foi dada para o próprio ambiente, para ele trazer esses indivíduos regenerantes de volta”

O Corredor Ecológico Vale do Paraíba foi criado em 2009, o Corredor Ecológico reúne organizações do primeiro, segundo e terceiro setores para propor um diálogo sobre o desenvolvimento social, econômico e cultural do Vale do Rio Paraíba do Sul por meio do planejamento e de intervenções que ampliem a oferta de serviços ecossistêmicos integrados ligados à água e à biodiversidade, com a conscientização da sociedade para o valor do patrimônio ambiental da região. Para isso, o Corredor desenvolveu a metodologia “Linhas de Conectividade”, que visa a garantir o desenvolvimento e a perenidade das florestas a partir de um guia de reflorestamento que mapeou todas as áreas que precisam receber plantios, evitando assim que investimentos florestais sejam desperdiçados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here