AGRISHOW 2019 – De veículos a aeronaves: negócios para todos

Denominada Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação, a Agrishow tem entre seus expositores empresas que voltam seus olhos ao dono do negócio e sua família. Além de ampla linha de vestuário e acessórios de empresas diversas, há as lojas das marcas internacionais de tratores e máquinas agrícolas, que tornam o evento um shopping de moda para o campo. 

Nesse universo, destacam-se a aviação, com Embraer e Tam, por exemplo, e a participação das mais importantes montadoras do País, que chamam a atenção dos visitantes com suas pistas de teste e com os veículos utilizados amplamente no campo. Nesta edição, onze empresas expuseram seus carros, entre elas a FCA, com suas três marcas (Fiat, Jeep e Ram), e a Audi, além de Suzuki, General Motors e Mitsubishi, que falaram sobre vendas significativas. 

Com marcas e modelos que atendem a todos os públicos e que servem perfeitamente para os clientes que atuam no mundo do agronegócio, a FCA montou dois espaços especiais para as marcas: um para a Fiat, com 3.300 m² de área, e outro para Jeep e Ram, com 3.850 m², ambos com pistas de test-drive off-road. Lá, os visitantes puderam ver mais de perto vários modelos das marcas, dirigi-los e ainda conhecer um pouco do que oferece a Mopar, marca de peças e acessórios do grupo.

A Fiat levou 13 modelos, desde o Mobi Way, Uno Way e Cronos Precision 1.8 AT6, até o recém-lançado Argo Trekking – versão aventureira esportiva da família Argo apresenta o melhor comportamento dinâmico da categoria e conforto em piso de terra, além do mais atraente custo/benefício do segmento – sem deixar de lado as picapes Strada – nas versões Freedom 1.4 Cabine Dupla e Adventure 1.8 com diferencial Locker e pack Crossroad – e Toro, que combina a força e robustez de uma picape com o conforto e dirigibilidade de um SUV, nas versões Volcano 2.0 Diesel, Endurance 1.8 Flex AT6 e Ranch.

Especializada em SUVs, a Jeep mostrou todas as novidades da linha e a nova geração do Jeep Wrangler na versão Sahara, com carrocerias de duas e quatro portas. O SUV com maior capacidade off-road do mundo foi inteiramente renovado, com nova mecânica mais moderna e eficiente (motor 2.0 turbo e câmbio automático de oito marchas) e um nível de tecnologia sem precedentes na história do modelo. Também foi destacada exclusiva edição especial Renegade Willys, com apenas 250 unidades baseadas na versão Trailhawk, que homenageiam a herança de veículos militares da Jeep, que nasceu com o Willys MB de 1941, criado para lutar na Segunda Guerra Mundial. O segundo é o Compass S, série especial baseada na versão Limited Diesel, que tem de série o maior pacote de tecnologia para condução autônoma em um veículo produzido no Brasil. Entre os recursos há controle adaptativo de velocidade (ACC), aviso de colisão frontal com frenagem automática (FCW+) e monitoramento de mudança de faixa com correção ativa (Lane Sense).

A linha Jeep apresentada contou, ainda, com o Grand Cherokee, vendido com dois motores V6: o Pentastar de 3,6 litros a gasolina (292 cv) e o 3.0 turbo diesel (241 cv). O câmbio é sempre automático de oito marchas, com tração integral Quadra-Trac II, com caixa de redução, seletor de terreno (Selec-Terrain) e controle automático de descida (HDC). Recursos que fazem o Jeep Grand Cherokee ter a maior capacidade off-road do segmento.

Marca da FCA dedicada a veículos utilitários, a Ram deu ênfase no modelo 2500 Laramie, tida como a maior e mais forte picape do mercado nacional, com seu motor turbo diesel Cummins de 330 cv e 104 kgfm de torque, câmbio automático de seis marchas e tração 4×4 com reduzida.

A Audi do Brasil participou pela segunda vez consecutiva e levou o Audi RS 4 Avant, principal lançamento da marca neste semestre, e a linha Q, composta pelos SUVs modelos Q3, Q5 e Q7, que demonstram a versatilidade e potência em ambientes urbanos e rurais. 

Com a proposta de gerar negócios, a General Motors, foi otimista, e a previsão é vender cerca de 250 carros como resultado da participação, apontou Francisco Chaves de Miranda Júnior, gerente de vendas da concessionária Nova Chevrolet. Grandes negócios também foram assinalados por Glauco Fiorante, diretor comercial da concessionária Grupo Virage Mitsubish, que informou a realização de cerca de 150 test drives por dia e a meta de comercializar 120 veículos. A Toyota, por sua vez, de acordo com Victor da Silva Júnior, gerente geral da Santa Emília, a perspectiva é vender 300 picapes.

No caso Suzuki Veículos Brasil, a inovação foi o ponto-chave com o Jimny Etanol. Segundo Rodrigo Nuzzo, consultor comercial, “o lançamento exclusivo foi na Agrishow, que surgiu a partir de uma demanda do mercado agrícola. Está sendo muito positiva a recepção dessa novidade. Superamos as vendas do ano passado no começo do quarto dia, sendo que 80% das vendas são do Jimny”, celebra.

Aeronaves

Embraer e TAM levaram soluções para o agronegócio brasileiro. Além de modelos expostos nos estandes, aconteceram demonstrações no Aeroporto de Ribeirão Preto (SP).

A Embraer, por exemplo, reafirmando seu compromisso de contribuir para o desenvolvimento de uma produção agrícola mais eficiente no país, focou no avião Ipanema, líder no segmento no Brasil, serviços de integração tecnológica para otimização do campo e o jato Executivo Legacy 500, importante ferramenta de negócios para o setor. Movido a energia renovável (etanol), o Ipanema é utilizado principalmente na pulverização de fertilizantes e defensivos agrícolas, evitando perdas por amassamento na cultura e flexibiliza as operações em regiões com terrenos irregulares, mas também encontra aplicação em atividades de semeadura, controle de vetores e larvas, combater incêndios e povoação de rios.

A Atech, subsidiária do Grupo Embraer, também esteve presente na Agrishow com soluções para o campo, ampliando a sinergia de produtos e serviços oferecidos pela fabricante aeronáutica para a excelência operacional no agronegócio. O portfólio da Atech, centrado na plataforma OKTO, é composto por soluções que promovem a eficiência operacional com foco nos processos logísticos e de gestão de ativos. A oferta de valor desta plataforma conta ainda com produtos e serviços adicionais que promovem a conectividade no campo, dando a cobertura, a segurança das informações e a confiabilidade necessárias para a operação do negócio.

Já a TAM Aviação Executiva, representante de vendas exclusiva no Brasil da Beechcraft, Cessna, Bell e FlightSafety, que dois últimos anos teve o agronegócio respondendo por um quarto das vendas totais da TAM AE e, aproximadamente, 40% das aeronaves a pistão e turbo-hélices comercializadas, apresentou os 26 modelos de aeronaves do portfólio, dos quais, 12 estão nas categorias de pistão e turbo-hélices. Há ainda helicópteros e jatos que priorizam a mobilidade e o deslocamento entre grandes distâncias, em um curto espaço de tempo e que, por isso, acabam se tornando aliados do empresário do agrobusiness, que precisa acessar regiões não cobertas pelas linhas aéreas regulares ou levar seus negócios ainda mais longe. 

Os helicópteros também já despontam como uma boa opção no setor, uma vez que possibilitam o voo pairado, tornando viável o mapeamento e o monitoramento de regiões amplas, além de poder pousar e decolar de praticamente qualquer local e sem a necessidade de enfrentar trânsito e aeroportos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here